segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A árvore, a poda e a vida

- As vezes, penso que você está regredindo.
- Por quê?
- Ah, você trabalhava numa grande editora e saiu para fazer estágio numa favela. Começou uma faculdade e se tivesse continuado já estaria formada. Tinha um namorado bom que gostava demais de você. E pouco a pouco,se desfez de tudo.

Fiquei com a pulga atrás da orelha, será verdade?

O trabalho - um chefe terrorista, domingos regados a crises de choro por pensar que mais uma semana estava a caminho, pressão, e o oposto de tudo que eu idealizava para o futuro. Na favela, conheci gente grande, enorme, que deixa qualquer nome de empresa ou editora pequenininha.

A faculdade - na época, a única mensalidade que eu podia pagar era a de uma Uni da vida, e lá fui eu, o curso? Publicidade. Não sei se eu morreria de fome, de frustração, provavelmente. Parei no segundo ano e seis meses depois entrei na PUC para fazer Serviço Social. Me encontrei, me encantei com a profissão e estou caminhando para o TCC.

O namoro - bom, esse, nem de longe deve ser considerado uma regressão. Foi um salto, e bem alto. Justamente por ser um cara fofo demais, ele merecia alguém que pudesse retribuir todo o carinho e amor que tinha para entregar, e eu, não podia mais.
Já faz um tempo que ele encontrou essa pessoa, e isso me deixa muito, muitooo feliz.

Esses dias, vendo uma árvore ser podada, pensei, se as árveres somos nozes (rs), também precisamos passar pela poda.
Cortar os galhos que já estão mortos, deixar espaço para que novos possam nascer, crescer e se fortalecer.

As vezes, penso que só estou sendo podada.

E, como diz a canção...
Virando o jogo, transformando a perda em recompensa, e quando olhar pro lado...Eu quero estar cercado, só do que me interessa.

10 comentários:

  1. Querida Carol!!!! Adorei seu post! Vc está tão correta. Saber quando mudar e ter a coragem pra tal é muito importante garota! Parabéns pela coragem e muita força no seu caminho!!! E muito obrigada pela mensagem lá no blog!!! beijocas,
    Mari

    ResponderExcluir
  2. Ai, que saudade eu estava dos seus posts!! E que lindo isso!
    Posso te dizer uma coisita?
    Os galhos já está bem visíveis, fortes e crescidos!!
    Mais um pouco da canção, que vc sabe que eu adooooooooooooooro! "O salto do desejo, o agora e o infinito... Só o que me interessa!"
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  3. Reconstruir, permitir-se, ter coragem... preciso disso, te lendo me vi! bjs

    ResponderExcluir
  4. Pô Tha,o que fez você pensar que a twittada era pra você? Não tem nada de arrogante no seu texto!

    Tá muito bom! Gostei pra caramba!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  5. Querida Carol,
    Você teve garra para recomeçar novamente,isso é para poucos!
    Você tinha um emprego estável naquela editora, mas, não tenho certeza se você seria reconhecida devidamente ou se desenvolveria um trabalho tão bonito como agora... Mas aposto que seu estágio na favela tem feito grande diferença na vida de seus moradores, e isso dinheiro nenhum paga, não é mesmo?
    Tenho certeza que você terá um futuro brilhante, os bons frutos dessa árvore você já está colhendo!
    Bjos
    Dani.

    ResponderExcluir
  6. Incrivel,o quanto a cada novo texto vc descreve minha realidade,ou somos mto parecidas ou temos historias incrivelmente chatas na vida!!heuaheuaheu a parte da facul,da multinacional..a parte do namorado ele q nao em merecia!!haeheheh
    Adorei Tha...me encontro em cada texto seu
    mas venho deixar um protesto pois estou mais sendo informada dos posts!!eu sou a leitora numero 1
    aheuaheue
    aheuehuaeh

    ResponderExcluir
  7. A vida não tem rascunho Carol, bato palmas pra vc, por saber viver da melhor forma, por tirar da vida o que ela tem de melhor e não se acovardar diante do novo!! Bjks

    ResponderExcluir
  8. Mari, obrigada, querida!
    Amém, que assim seja, muita força pelo caminho.
    Obrigada por sempre aparecer por aqui!

    Nanda, fico feliz que você tenha gostado e que até sinta saudades dos posts, você é uma graça. Ah, dá-lhe o grande Lenine, né! hehe.

    Marcia, é esse o processo, né? que lindoo o que você escreveu. Obrigada.

    Thi, hahaha, você sabe que sou 13...né? rsrs.
    Que bom que você gostou. =D

    Dani, menina, que saudadeee!!
    Infelizmente o estágio já acabou, mas foi ótimoooooo, muitas histórias pra contar, um dia temos que combinar um café e te conto tudo.
    Adorei seu comentário.

    Sam, sua bandida, eu aviso sempre...haha.
    Ah, que bom que você se identifica... ah, mas do namorado, você super deu a volta por cima, toda garanhona do funk rsrs.

    Lília, que lindo, realmente, a vida não oferece rascunho, e vamo que vamo rs.
    Brigadão por passar aqui!

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Muito inovador o formato do blog. Amo a música...e me encantou essa mescla de pensamentos.
    Voltarei.
    inté

    ResponderExcluir